Hip Hop Angola | Hip Hop Moçambique

Serviços: Design Gráfico | Motion Design | Jornalismo Cultural (Hip Hop) | Publicidade contacto: [email protected]

Entrevista do Azagaia

Quarta-Feira dia 27 de Fevereiro, as 23h:59, leia aqui a entrevista do Azagaia

P: Quem é o Azagaia?
R: É um rapper lusofono que sem problemas, fala tudo o que pensa em relação ao sistema politico do seu pais e por conseguinte em seu disco fez uma analise sobre vários aspectos sociais que se refletem no dia-a-dia do povo não só moçambicano, mas sim Africano.

Uma conversa madura que vale apena ler apartir de quarta-feira dia 27 as 23h:59 neste blog.

Dama do Bling invade revista musical e jornal de Angola

No princípio deste ano fomos surpreendidos no revista musical (TPA), na rádio Iclesia e no jornal de angola, com video, musicas e entrevista respectivamente, da Dama do Bling, a moçambicana que dispensa apresentações, (pelo menos neste blog).

Segundo a Vina, a promotora encarregue da carreira artista da Dama do Bling em Angola, o público angolano poderá contar com a participação da artista num show de grande envergadura em meados ou finais de Fevereiro do corrente.

Vamos torcer que isso aconteça de modos a abrir portas para mais artistas moçambicanos brilharem nos palcos de Angola e por conseguinte suavizar a relação cultural entre estes dois países.

Dzukupandza (Gpro) – Eles foram mal interpretados

Dzukupandza o Beef.


Neste ritmo será normal classificar os artistas moçambicanos de polémicos, depois do “zum zum” do Azagaia, Dama do Bling agora é a vez da “Gpro”, que até ao momento que se publica este artigo estão a ser vitimas de inumeras criticas e ofensas morais públicas, tudo isso ainda em torno da música “Dzukupandza”, onde Duas Caras e Sem Paus, fazem uma critica para os dj’s e à midia no geral por apadrinharem o estilo regional panza, tratando desta forma o hip hop e outros estilos como enteados.

A intenção foi boa mas as reações foram salgadas, artistas do estilo panza responderam a música com beef, e outros foram até mais longe, programas radiofonicos e televisivos proferiram ao seu intender comentários nada saudaveis aos ouvidos da Gpro, houve um programa que preparou uma armadilha e Duas Caras caiu, alias qualquer um poderia ser vitima, quem é que vai duvidar da seriedade e profissionalismo de um programa televisivo? Faltou imparcialidade no programa e Duas Caras foi julgado como se fosse o responsável pela pobreza em África ou o Bin Landen para o Mundo.

Nisso o Mega Júnior aproveitou e diante das camaras ofendeu o “Tio Duas” (como é carinhosamente chamado), está actitude foi tão reprovada que Djo(Gpro) não teve argumentos suficiente para impedir o amigo e parceiro Duas Caras a responder em beef que contraria os principios do grupo, Djo argumentou ainda que “Tio Duas” teve uma actitude intelegente em não responder da mesma maneira na televisão, pois poderia haver crianças a assistir o programa, e a Gpro prima pela boa educação. Mas a resposta foi dada em forum apropriado para o efeito, um beef que hipflickz.com disponibiliza para download.

Entre as reações algumas não falam o nome da Gpro dai que não podemos classificar por falta de certeza, embora que dá para relacionar uma coisa a outra, por exemplo DJ Damost e Danny O.G (rapper agora do panza) usaram e distribuiram aos mais chegados no sábado, dia 27 de Outubro no Coconuts, T-shirts com escritas “estão com inveja”, e nesta mesma discoteca toca a música do N’star com Danny OG onde dizem “Estão a criticar porque se você gosta, a tua mãe gosta, teu pai gosta etc. Etc).

A verdade é só uma, Duas Caras tem se revelado defensor do hip hop moçambicano, que em tempos fora dado por morto por muitos mc’s que abandoram o movimento e converteram-se para o estilo regional panza. Persistem no hip hop Azagaia, Dama do Bling, Três Agah, DRP, 100 paus, Face Oculta, o pessoal da Cotonete Records, Trio Fam uma lista não muito curta, mas também não muito vasta.

Como disse Djo e nós hipflickz.com subscrevemos, a luta não é contra os músicos, é pela diversidade músical, em Angola ja vivemos este problema e de certa forma continuamos a sentir na pele o que é fazer hip hop no verdadeiro sentido da palavra e a maioria preferir ouvir e comprar kizomba ou kuduro, e nas rádios se não for no Big Show Cidade ou Canal Hip Hop não se ouve rap, nem mesmo nas festas.

Vamos fazer hip hop.

Por Dino Cross in Dzukupandza www.hipflickz.com

PRIMEIRA A SEMANA EM MAPUTO


BOM PRA ELES, MAL PARA NÓS

Fazendo uma comparação em relação ao ano passado, pude me aperceber que de lá pra cá os moçambicanos passaram a valorizar mais a sua música, agora toca-se muito “made in mozambique”.

Pela minha analise eles “desmwangolénizaram-se” como prometeram no ano passado se caso em Angola não derem o mesmo tratamento que se dá a música angolana em Moçambique. Em conversa com alguns músicos moçambicanos, fiquei a saber que a midia, os dj’s e os próprios mc’s regionais lutam pela valorização da sua música em Moçambique e no exterior, dai que nas discotecas e nas radios agora consome-se mais o moçambicano.

Isso não quer dizer que está em curso um boicote a música angolana de modo algum, só estão a fazer o mesmo que em Angola têm vindo a fazer a uns três anos pra cá, “Desamericanizar-se”.

O situação começou a ficar complicada sobretudo nesta altura que mc’s angolanos projectam conquistar o mercado moçambicano, mas o mal não é de todo, Os Kalibrados embora que pouco mais ainda toca nas rádio e por conseguinte nas discotecas, agora, quem sobrevive de verdade a crise são os SSP que em todas as estações radiofonicas se ouve diariamente, em testemunho a isso surpreendentemente dia 22 de Outubro a rádio FM 101.4 tocou 5 músicas seguidas, um caso raro e se eles souberem gerir bem a situação poderão continuar a ser os reis da noite como são tratados cá em Moçambique.

Qual deverá então ser a estrategia para voltarmos a ser os donos das pistas?

Por Dino Cross

Cala-te boca reune Azagaia e Dama do Bling

O hipflickz.com teve o prazer de receber novidades músicais de Maputo, entre muitas músicas boas, quero destacar o junção do útil ao agradável, Dama do Bling e Azagaia, numa música com o título Cala-te boca, alias vou calar-me e deixar-vos fazer o download da música para as vossas próprias conclusões.

http://www.hipflickz.com/musica/dama%20do%20bling%20-%20cala-te%20boca.mp3

Dama do Bling Ela merece o teu voto

Dama do Bling é conhecida pelo sucesso que faz fruto de uma personalidade com bastante actitude e sensualidade, é formada em Direito com o grau de Licenciada atribuido pela maior unidade de ensino superior de Moçambique a UEM, diz que não está a exercer Direito por opção própria, porque a sua paixão é a música. ela é diferente dos demais que gostariam de fazer tanta coisa mas não o fazem por preconceitos.

Recentemente conheceu a outra face da moeda “a critica”. A juiza sentou-se no banco dos réus, diariamente circulava pela internet, rádios, televisão e jornais manifestações de repúdio a sua atitude de ter cantado com gravidez bem patente, num show realizado em meados de Junho. As criticas foram tão intensas que invadiram a sua privacidade e a sentença foi um aborto inesperado, dai o afastamento dos palcos por um tempo determinado.

Num periodo de moral baixa, uma surpresa devolve o ánimo a label “Bang entretenimento”, a nomeação da Dama do bling em 4 categorias do concurso Channel O Video Music Awards, nesta altura os moçambicanos deverão unir-se e votar para a valorização e a internacionalização da sua música, e Dama do Bling é orgulhosamente moçambicana, é tempo para sicratizar feridas e reconhecer que a música é um dos veiculos para a expansão da cultura de um país.

Gprofam (Mocambique) VS Kalibrados (Angola)

Duas Caras e Sem Paus são mc’s de Moçambique que dispensam apresentações no hip hop game, membros da Gpro Fam, o primeiro grupo de Rap moçambicano a lançar disco e responsáveis pela polemica música pais da marrabenta.

 

Depois de muito tempo separados, os amigos Duas Caras e Sem Paus estão de volta a carga com uma super bomba, a música com o título Dzukupanza, uma critica dirigida aos Dj’s e radialistas que tocam músicas com mais ritimos do que mensagens. A música faz referência a muitos casos moçambicanos e um dos exemplos é a música “Patrão é Patrão” de Mc Roger onde ironicamente Duas Caras afirma que os putos conhecem melhor a letra do que hino da república.

E o quê que os Kalibrados têm haver com isso? A base instrumental da música não parece sample, parece mesmo um plágio da Música “Kalibrados” dos Kalibrados e o coro é qualquer coisa como “Oh oh, oh oh oh o mambo ta muito estranho “, uma evidência clara de uma indirecta, mas pra quem? Será para os Kalibrados?. Se for o caso que motivos teriam para o fazer? Uma vez que existe uma certa “amizade” entre Vui Vui e Duas Caras.

A música esta disponivel para download e todos temos capacidades para interpretar da melhor maneira. Mais uma verdade é que Duas Caras e Sem Paus bifaram, quem não sabemos até porque eles enrolaram no coro, acto que faz da música uma indirecta.Boa escuta.

Duas Caras & Sem Paus – Dzukupanza

By dino Cross in www.hipflickz.com