Hip Hop Angola | Hip Hop Moçambique

Serviços: Design Gráfico | Motion Design | Jornalismo Cultural (Hip Hop) | Publicidade contacto: [email protected]

Sandocan-x-ProKid-x-Lil-Wayne

Sandocan x ProKid x Lil Wayne

Sandocan x ProKid x Lil Wayne é o destaque do novo episodio do podcast Mambos Hiphop da Banda.

Como devem saber o rapper angolano Sandocan lançou a música SAN É no álbum Tubarão Branco, mais tarde o já falecido artista sul-africano Pro Kid também cantou no mesmo instrumental.

De antemão a pergunta que naltura todos faziam era de quem é o instrumental?

Por outro lado foi inevitável a questão porque que o Pro Kid gravou no mesmo “beat” sobretudo meses depois que outro artista o fez.

Recentemente numa performance para o canal BET, o rapper americano Lil Wayne cantou no mesmo instrumental, dando credito ao artista sul-africano.

Simultaneamente trouxe de volta a pergunta inicial, afinal “a quem pertence o instrumental?”

Sandocan ou ProKid?

Sandocan valorizou melhor o instrumental que Prokid e Lil Wayne

Três artistas cantaram no mesmo instrumental, Sandocan (Angola), Pro Kid (África do Sul) e Lil Wayne (EUA), e a pergunta foi quem esteve melhor na música?

Enviamos as três músicas para serem avaliadas por vinte pessoas ligadas a cultura hip hop entre bloggers, artistas e ouvintes comuns.

Sem hesitar a maioria afirmou que Sandocan foi o melhor.

Por fim queremos saber entre Sandocan x ProKid x Lil Wayne quem na sua opinião esteve melhor na música.

Escute clicando em Sandocan, Pro Kid Ou Lil Wayne?

ESCUTE O EPISODIO NO PODCAST

Army Squad e Kalibrados

ARMY SQUAD X KALIBRADOS Show TvZimbo

O show solidário da Tv Zimbo trás como cartaz para o dia 29 de Agosto entre as 15:00 às 18:00 ARMY SQUAD X KALIBRADOS.

Essa é a provável resposta a pergunta que artistas ou grupos deveriam representar o hip hop nos já habituais lives solidários organizados pela TPA e agora também a Tv Zimbo.

Independente de qual tenha sido a escolha do público, o facto é que a Top Music Angola escolheu dois grandes grupos de referência do rap angolano para o show.

Todavia, o objectivo deste show que será transmitido em directo, é de angariar doações de Cestas Básicas para o “Hospital Pediátrico David Bernardino“.

Desta vez o show ARMY SQUAD X KALIBRADOS tem um conceito diferente do primeiro grande espectáculo que reuniu os dois grupos no mesmo palco a 13 anos (2007). ⠀

Nesse sentido o show acontece de forma adaptada ao novo normal imposta pela pandemia da Covid-19, todos em casa a acompanhar o espectáculo pela Tv Zimbo simultaneamente pelo perfil do Xé Agora Aguenta na internet.

Outro dado extremamente importante, alias a razão deste acontecimento é motivar a ti e a todos a ajudar a campanha.

Dessa forma para doar CESTAS BÁSICAS transfira o quanto puderes para o IBAN AO06.0040.0000.0084.1992.1024.8 e envie o comprovativo (+244) 923 698 943.

Beats de Sandocan Vs Laton

A batalha de beats entre Sandocan e Laton

Sandocan pela Army Squad e Laton pelos Kalibrados realizaram na noite de nove de Abril por meio de um “live” no Instagram um momento memorável para o Hip Hop angolano com uma “batalha” de beats clássicos que cada um deles produziu ao longo da carreira.

A iniciativa partiu de Sandocan motivado pelo que outros produtores de nome no circuito internacional têm vindo a fazer nesta fase de isolamento social.

Na introdução Laton enalteceu os feitos de Sandocan com a produção do álbum Firme, e num gesto de humildade assumiu que Sandocan foi uma das influências para que ele começasse a produzir “Eu 2003 eu era plateia nos show, te via e foste uma fonte de inspiração” Disse o Kalibrado.

Sandocan declarou que é uma batalha fraternal e uma homenagem pelo que ambos fizeram pelo Hip Hop angolano, fez as honras da casa tocando a música “Tão de difícil”, extraída do álbum de Negro Bué ao que Laton respondeu com Killa Hill com a “filha que nunca tive” 

Ao estilo ping-pong aconteceu a batalha e sandocan seguiu com party up de Gomez ao que Laton reage com a “Kalibrados”, uma sequência de clássicos que vale a pena ouvir como foi no mais recente episódio do podcast Mambos Hip Hop da Banda nos links abaixo.

Ouça como foi a batalha entre Sandocan e Laton no podcast Mambos Hip Hop da Banda.

Escute no mais recente episódio do Podcast Mambos Hip Hop da Banda, produzido por Dino Cross para o site Bantumen, os audios em que Laton Fala boas e más coisas sobre Heavy C, a batalha de Beats com Sandocan e muito mais.

Clique aqui para ouvir pelo ApplePodcast, Spotify e outros

Clique Aqui para ouvir pelo Soundcloud

Army Squad – Já fomos Revús

Em véspera do show de comemoração de 20 anos de carreira, o grupo de rap angolano Army Squad esteve em entrevista no programa radiofónico Mix Hip Hop onde recordaram factos da história do rap em Angola com particularidade ao impacto e percurso que teve o mercado angolano com o lançamento do álbum Firme.

O grupo relevou o que até então era um facto desconhecido pelo público, os porquês que o álbum underground “Generais de 5 estrelas” não foi lançado.

Clique play para ver o video e descobrir muitos outros aspectos abordados ao longo da entrevista

Man Killa prepara disco a solo (army music)


Man Killa está em estúdio para gravação de um projecto a solo de que ainda não se sabe o nome e outros pormenores relevates, a música “Não da Bandeira” é um cheirinho do que vem ai.

ASSIM FOI O SHOW DE BOB DA RAGE SENSE

ASSIM FOI O SHOW DE BOB DA RAGE SENSE

MC K, Kool Klever, Bruno Boy e Leu Bone sobre a chancela da Casa de Ideias, realizaram o tão esperado show de Bob da Rage Sense que veio a acontecer no dia 27 de Fevereiro do corrente ano no Cine Atlantico e que contou com a participação de vários artistas que souberam entreter o público que preencheu o recinto não só com a sua presença mas também pela satisfação em fazer parte de um bom show de hip hop.

A carga começou com o grupo de b.boyz Extilo Urbano, em seguida Dr Romeu cantou e deixou a sua marca com um freestyle em acapela, seguiu-se X da Questão, Extremo Signo, Army Squad, Ikonoklasta, Phay Grande, Fuse e para fechar a noite em grande Bob da Rage Sense que mesmo não vivendo em Angola conseguiu com o seu vasto repertório encher o cine Atlântico, uma actividade nada fácil nos últimos meses.

Mas antes mesmo de começar a festa, tivemos uma feira de venda de discos, com destaque ao lançamento e venda da mixtape ponto de interrogação de X da Questão na bancada da Cerebro Records que também apresentou a compilação da label, os discos da Iveth, G2 e Gpro, noutra bancada estava a vender o seu disco um dos grandes activistas de hip hop em Angola o Lukeni Fortunato que dividiu espaço com Corleone que esteve a vender a sua mixtape, algumas das obras de Bob da Rage Sense também foram bem vendidas, mas surpresa foi ver a bancada da Masta K a vender discos do Azagaia (já não tinham acabado afinal?), que mais uma vez deixou ficar evidente a sua aceitação e popularidade em Angola.

Um facto que já não dá para esconder é o clima salgado que ficou entre a organização e a Madtapes, na conferência de imprensa que antecedeu ao dia do show, os bloggers não deixaram de perguntar porquê que não teriam Kid Mc num show de underground consciente, e em que pés andam as relações do Bob da Rage Sense com a Madtapes, mesmo com muito esforço para mascarar a verdade, todos perceberam que as coisas não estavam bem, e deu-se a perceber isso quando vimos Samurai a comprar ingresso e ter assistido ao show como um espectador comum, é a primeira vez que se vê num show desse nível dispensarem o contributo deste activista e dj de hip hop que é o homem da Madtapes, que através de uma conversa no facebook falou-nos: “não há beefes nenhum, apenas tamos a preparar um mega show de Kid Mc no pavilhão da cidadela já em Março, e pretendemos criar o maior impacto possível para este evento, ora o Kid aparecendo no show do Bob, tiraria impacto no seu mega show, são por estas razões que estou a dizer, estamos a falar de um mega show… todo cuidado com a estratégia de marketing é importante” – lamentou. Comportamento bem compreensivo sim, só foi uma pena as coisas terem acontecido num intervalo de tempo curto impossibilitando assim Kid Mc de participar da festa, diante disso só o tempo pra adoçar os ânimos.

ARMY SQUAD NUM SHOW DE RAP UNDERGROUND

Por serem considerados grupo de rap comercial em principio temia-se que seria vaiados, afinal quando no principio do show anunciou-se a sua presença a sala ficou dividida, mas em palco a Army mostrou mais uma vez o seu potencial, cantaram e encantaram, vimos uma fotografia bonita do público com as mãos no ar, estão de parabéns sim, como diz o Briguel Brizzo “a Army Squad é dos poucos grupos do rap angolano, que não têm hater fieis”

EFEITO AZAGAIA NO SHOW DE BOB DA RAGE SENSE!!!!

Quem foi ao show de KID MC em Dezembro de 2009, ficou a saber que embora não ter-se programado isso, a performance do AZAGAIA levou o público a desrespeitar algumas figuras políticas do pais, situação que deixou desconfortável organizadores e patrocinadores, desta vez o Matafrakos aka Ikonoklasta imbuído de uma ideologia que surpreendeu até aos mais undergrounds, desrespeitado a todos os organizadores e patrocinadores incentivou o povo a faltar com respeito a figuras políticas do pais e não achando suficiente apelou a um comportamento semelhante ao que tem vindo a acontecer nos países árabes. É claro que ninguém gostou da ideia e deixou preocupado os organizadores que lamentaram esta atitude que reconheceram terem tido dificuldades em conseguir patrocínio e espaço para a realização de show de rap underground por quase sempre caminharem para o descontrole da ordem pública.

O DJ BomberJack

Tudo o que se tem a dizer é que o mano deu Karga mesmo, tido como um dos melhores Dj’s de hip hop em Portugal, posto em Luanda não deixou de honrar o seu nome, a formula já sabemos, old school music pra animar e o resultado foi saldo positivo, a organização está de parabéns por este grande show de Hip Hop

RENASCIMENTO DO TUBARÃO, leva fás a praça da independência.

Army Music apresentou no último domingo de Fevereiro o segundo álbum a solo de Sandokan, com o título Renascimento do Tubarão, na praça da independência, com 14 faixas no disco audio e vários videoclipes, bem como o entrevistas, making off e uma grande surpresa, o famoso show do beef que terminou no selar de amizade entre Army Music e os Kalibrados no DVD.

Tanta coisa num só DVD? foi possivel sim, dai a explicação da baixa resolução dos vídeos, a intenção foi está, desde modo conseguiram partilhar toda esta informação que de certeza é mais um documento do rap feito em Angola. É uma pena termos tido acesso a estas informações na venda dos discos, seria importante que o pessoal soubesse com antecedência o conteúdo do DVD que acompanha o disco de audio, pelo seu valor informativo.
Não preciso falar que o pessoal da Army music são únicos como o símbolo da audi, dai que nas fotos para alem do Sandokan, poderás ver alguns outros membros da label, nomeadamente D-One, Man Killa, Dj Ec, e Nekruma Beia. Já estamos acostumados a recintos cheios, embora termos sentido a falta de aderência feminina.
Parabéns a Army Music e um conselho para quem não comprou, procure o disco porque aos nossos ouvidos está muito bom.

SANDOKAN / ARMY SQUAD

Sandokan, melhor a Army Squad conseguiu este ano manter os fâs, sem lançar novos hits, assistimos a vários shows em que o público implorava por biz, e isso não foram apenas duas vezes, foram inúmeras.
Para download, apresentamos a titulo de recordar é viver o classico, “firmes” primeira musica do album com o mesmo nome, e o hit que já leva mais de um ano “Crunk”.
FIRME – Download
CRUNK – Download
Army Squad vs Kalibrados

ANGOLA – O Show da Army Squad Vs Kalibrados

Army Squad Vs Kalibrados – Esteve em cartaz durante duas semanas a realização de um espectaculo para a última sexta-feira do ano de 2007, no cine Karl Marx, onde de um lado esteve a Army Squad e no outro Os Kalibrados.

Num simples olhar poderíamos entender que trata-se de uma batalha, já que todos sabemos que estes dois grupos têm um beef de se chamar nomes aos pais e tudo.

Os motivos e a forma de como o beef começou é um assunto que já leva inúmeras versões, e sem margem de discussões este foi o grande beef de 2007.

As expectativas para o show eram inúmeras, a cidade esteve agitada como se tratasse de uma partida de basquetebol entre o 1º Agosto vs Petro, após aquele prolongado atraso a que já estamos acostumado.

O Início do Show

Começou o show aproximadamente meia noite, cantando na primeira parte os convidados entre eles Gomez, Zona 5, Killa Hill, Beautifull e Dji Tafinha.

Depois de meia hora começa a grande batalha entre a Army Squad vs Kalibrados tendo como o júri o público.

Na realidade a promoção que se fez em prol do show levou o público a ver as coisas no lado compectitivo.

Assim sendo e neste campo os favoráveis foram a Army Squad transformado assim a sexta-feira 28 em sexta-feira 13 para Os Kalibrados.

Um facto a que todos os artistas presentes chegaram a concluir é que não é salutar para a carreira, a natureza deste género de espectáculos.

Pois esteve patente um enorme descontentamento do público em relação aos Kalibrados, público este que atirava para o palco dos Kalibrados tudo o que pudesse e clamava pela Army Squad.

Houve até cartazes com escritas a favor da Army e contra os Kalibras, com destaque ao que mais rodou o recinto e vendo-se escrito “Nós só queremos tubarão, não queremos caxuxos”.

A grande verdade é que afinal não era exactamente um show de batalha, mas sim um show de reconciliação entre estes grupos.

Um acto louvável até porque Angola vive um clima de paz e nada justifica os desentendimentos, se até o Sebem e o Rei Helder no kuduro já se entenderam, porquê não dar-se a oportunidade ao hip hop angolano?

Se calhar até, trazer de volta o rap doutrora, dos tempos em que todos eram irmãos e faziam as coisas por amor.

O fim do show

O show terminou selando a amizade entre a Army Squad vs Kalibrados e teve o Big Nelo como mediador que usou da palavra para apelar a paz, abraçando Vui Vui de um lado e Sandokan do outro.

Ficou um retrato para historia não antes visto no hip hop angolano.

Em jeito de conselho fica aqui uma palavra para todos os grupos de rap em Angola, vamos procurar criar uma identidade e rosto para o hip hop angolano, o que se faz na america e noutra parte do mundo não deve ser importado para a nossa cultura de modos a evitar contrastes.

Dino Cross – [email protected]