Hip Hop Angola | Hip Hop Moçambique

Serviços: Design Gráfico | Motion Design | Jornalismo Cultural (Hip Hop) | Publicidade contacto: [email protected]

Phathar Mak Depois dos 43

Phathar Mak homenageia Mamborrô

Phathar Mak homenageia Mamborrô na música Depois dos 43 uma das suas maiores influências musicais angolanas.

Lançada a chegada de 2022, Phathar Mak levou 43 anos para perceber o quão impactante foi a influência de Mamborro na sua formação como artista.

Este pioneiro do Hip Hop Angolano fez questão de referir que Mamborro foi um marco da sua geração nesta música que nos leva a viajar aos anos 80.

A música está disponível no Youtube e também nas plataformas digitais.

Para ouvir clique play 👇🏿

Quem foi Mamborrô

Mamborró de nome de registo José Manuel Jorge Machado, nasceu a 7 de Agosto de 1970 e faleceu de doença em Setembro de 2012. 

Foi uma grande influência da música angolana nos anos 80 num percurso que teve início no projecto “Piô Piô”, da RNA, tal como Lucas de Brito (hoje conhecido por Maya Cool), Yuri da Cunha, Ângelo Boss, As Gingas e outros. 

Autor de sucessos como “Mamborró das Garotas”, “Vovô Samba”, “Cajueiro” e “Guida”, conquistou o povo angolano na década de 80, quando aos 16 anos (em 1987) se tornou o cantor mais querido do país, vencendo o Top dos Mais Queridos.

ESCUTE AQUI

Referências do Rap homenageiam Donna Kelly

Algumas figuras do movimento hip hop angolano como Kiesse Kelly, Tito Olivio, Naice Zulu, Phather Mak, Vanda Mãe Grande e outros não mais conhecidos falam sobre a Donna Kelly numa clara homenagem a ícone que essa artista representa no rap feito por mulheres em Angola.

Neste episódio do Mambos Hip Hop da Banda, gravado pelo whatsapp voice ao longo de 3 dias e divulgado ao formato podcast hoje 24 de Março, data escolhida por coincidir com o aniversário da artista entrevistada, Donna Kelly fala do percurso a sua afirmação como rapper.

Contrariando muitos zum-zuns a rapper também falou sobre como as mulheres que fariam rap na fase em que o movimento dava os seus primeiros passos interagiam uma com as outras, um subsídio para a compreensão da história do Hip Hop angolano.

Entres os depoimentos, Naice Zulu refere que Donna Kelly e Girinha serão sempre as únicas grandes referências do rap feito por mulheres no nosso país e desabafou com tristeza dizendo que Phather Mak estragou o nosso sonho de rap quando roubou a Donna Kelly do Hip Hop para o matrimónio.

Você pode ouvir o podcast através do Spotify ou ApplePodcast Kisom e outros serviços.

Pelo SoundCloud

1º DISCO DUPLO DE RAP ANGOLANO


PHATHAR MAK com o lançamento do seu segunda album passa assim a ser o primeiro rapper a lançar um disco duplo na historia do Rap angolano, sabemos que o primeiro album rap em Angola, foi lançado pelos SSP no milénio passado.

Ekos e Factos é o album que tras 30 tracks (incluindo intros e skits), divididos em 15 tracks para cada disco, Phathar Mak como sempre nao é muito amigo de participações, mas não deixou de convidar o seu amigo de estrada Koool Klever na música “Dor/Pain”, anselmo Ralph, Jack Canda, Totó, Jeff Brown, Simimi Ni Moyo e poucos sem esquecer de Miguel Neto que bem apareceu neste disco.

Quem vos reporta é suspeito para falar sobre este álbum já que os laços de amizade com o artista em causa é bem evidente, mas nem isso nos impede de ser profissionais, e para ser bem honesto náo precisava ser analista hip hop para classificar o álbum de Phathar Mak como disco de bom rap.

O disco custou 1500kz (15usd) e vendeu acima dos 4000 copias (fonte nao oficial, já que esta nunca se manifesta) e no mesmo dia e local venderam seus álbuns os Wonderfull One e JD que também sairam satisfeitos com os êxitos.

Não vamos ainda disponibilizar nenhuma track deste album já que ainda não pedimos autorização para o fazer, mais podem ter certeza que a primeira música a ser disponivel no novo ano será deste álbum.
Com Moises Luis Com o DJ Bumber Jack Com Malé F*ck Com Dito NarcisoGansta a controlar o kumbo Quem disse que as crianças não gostam do “tio Phathar”?

FOTO VENDA DO JD E WONDERFULL ONE